top of page

LEIA

13 de fev. de 2023

Quando uma torcida ergueu seu próprio estádio

Sim, você conhece uma história parecida, mas não estamos falando dela.

por

Artur Magalhães

O ESTÁDIO MAIS H0STIL DO BRASIL SE CHAMA SÃO JANUÁRIO?
01:42
COMO ESSA TORCIDA INC3NDIOU O ESTÁDIO DO RIVAL
03:36
VOCÊ LEMBRA A HISTÓRIA DESSE TÍTULO QUASE IMPOSSÍVEL NA EURO?
04:14
POR QUE AINDA EXISTEM ESTADUAIS NO BRASIL
06:30
POR QUE ESSA ATITUDE DO KLOPP DEIXOU TODO MUNDO EMOCIONADO
03:52
ESSA TR3TA DO MESSI QUASE ACABOU COM UM SUPER TIME DO BARCELONA
04:06
QUE P#RRA TÁ ACONTECENDO COM A SELEÇÃO BRASILEIRA?
05:41
VOCÊ LEMBRA DESSAS TRETAS MARCANTES ENTRES IRMÃOS?
13:02
ESSAS SÃO AS VINGANÇAS MAIS ICÔNICAS DO FUTEBOL?
09:24
QUE P#RRA TÁ ACONTECENDO COM O SANTA CRUZ?
04:44
FOI ASSIM QUE ESSA TRANSMISSÃO ENGANOU DUAS TORCIDAS
04:37
É POR ISSO QUE O SÃO PAULO TÁ SENDO CHAMADO DE 'O MAIS POPULAR'
13:27

É muito provável que você já conheça a história de São Januário e de como a torcida do Vasco enfrentou o racismo e ergueu seu próprio estádio naquele episódio que ficaria conhecido para sempre como a grande ‘Resposta Histórica’. Se não sabe disso ainda, te recomendo o Radar PELEJA número 70; nele, contamos o porquê de todos os poderosos do futebol odiarem o Clube de Regatas Vasco da Gama no início do século.


Bom, o interessante é que existe outra história semelhante, também no futebol sul-americano, mas que é bem menos conhecida.


No dia 1 de outubro de 1912 era fundado o Club Cerro Porteño, em Assunção, no Paraguai. O clube nasceu no famoso bairro de Obrero, que leva esse nome devido a seus moradores serem, em grande maioria, da classe trabalhadora, serem operários, obreros. Desde essa data, o bairro passou a respirar as cores azul e grená. Nas paredes pintadas e grafitadas, nas bandeiras amarradas nas janelas, nas pipas que colorem o céu.

Popularmente conhecido como Ciclón, o Cerro costuma mandar seus jogos na Olla Azulgrana (a panela Azul-Grená, em português), que desde 2017 passou a ser La Nueva Olla Azulgrana. E a história que te conto é sobre isso.


O estádio foi construído em 1970, e era imponente, mas não tinha uma grande capacidade e a infraestrutura não era das melhores. Então, os jogos mais importantes do clube acabavam sendo disputados longe de casa, geralmente no conhecido Defensores del Chaco.


REPRODUÇÃO

Até que, em 2015, o clube anunciou que reformaria sua casa. E foi aí que a torcida entrou em cena. A hinchada do Cerro mostrou todo o seu amor pelo clube e, literalmente, colocou as mãos na massa para reformar sua casa. Os torcedores que se voluntariaram para ajudar na obra pegaram os materiais e começaram os trabalhos. Antes disso, o clube forneceu cursos profissionalizantes para os que quisessem participar. Quem não podia contribuir com a força braçal, ainda o fazia na parte financeira: a torcida ajudou a pagar os US$22 milhões (aproximadamente R$73 milhões, na época) de custo da reforma.


Depois de 2 anos, 8 meses, 18 dias e muito suor derramado, a Nueva Olla Alvigrana, sob o slogan de ser ‘el estadio más grande del país’, foi reinaugurada. A reforma possibilitou uma significativa ampliação, garantindo uma capacidade de mais de 45.000 torcedores. O estádio novo ainda manteve seu formato inicial e tradicional, não seguindo a padronização das modernas e elitizadas arenas.


REPRODUÇÃO

A reinauguração foi em uma partida comemorativa contra o Boca Juniors, e é claro que o estádio estava completamente lotado para o amistoso. A torcida, grande protagonista dessa reforma, tomou conta da arquibancada, fez uma festa histórica e criou uma atmosfera memorável dentro da Olla, que pareceu de fato uma panela de pressão.


REPRODUÇÃO

Em forma de agradecimento, o Cerro convidou todos os torcedores que ajudaram a erguer o estádio a deixar seus nomes eternizados nas paredes do monumento. É possível visitar o lugar com certa facilidade e os ingressos dos jogos são, em média, baratos. O estádio tem um caráter realmente popular.


A divulgação do projeto da reforma é emocionante e o estádio que ficou conhecido como ‘La Capital del Sentimento’ faz jus à fama.



Uma última curiosidade sobre a Olla é que para o plantio de todo o seu gramado foram usados pedaços de grama que sobraram das construções das arenas da Copa do Mundo de 2014, no Brasil. Logo, há resquícios - e muitos - do futebol brasileiro nesse solo completamente paraguaio.


ASSISTA

bottom of page