top of page

LEIA

10 de mar. de 2023

Quando o futebol feminino foi proibido no Brasil

Um ano após a primeira partida de futebol feminino disputada no Brasil, a imprensa e setores conservadores pressionaram Getúlio Vargas a assinar um decreto proibindo a prática entre as mulheres.

por

Artur Magalhães

O ESTÁDIO MAIS H0STIL DO BRASIL SE CHAMA SÃO JANUÁRIO?
01:42
COMO ESSA TORCIDA INC3NDIOU O ESTÁDIO DO RIVAL
03:36
VOCÊ LEMBRA A HISTÓRIA DESSE TÍTULO QUASE IMPOSSÍVEL NA EURO?
04:14
POR QUE AINDA EXISTEM ESTADUAIS NO BRASIL
06:30
POR QUE ESSA ATITUDE DO KLOPP DEIXOU TODO MUNDO EMOCIONADO
03:52
ESSA TR3TA DO MESSI QUASE ACABOU COM UM SUPER TIME DO BARCELONA
04:06
QUE P#RRA TÁ ACONTECENDO COM A SELEÇÃO BRASILEIRA?
05:41
VOCÊ LEMBRA DESSAS TRETAS MARCANTES ENTRES IRMÃOS?
13:02
ESSAS SÃO AS VINGANÇAS MAIS ICÔNICAS DO FUTEBOL?
09:24
QUE P#RRA TÁ ACONTECENDO COM O SANTA CRUZ?
04:44
FOI ASSIM QUE ESSA TRANSMISSÃO ENGANOU DUAS TORCIDAS
04:37
É POR ISSO QUE O SÃO PAULO TÁ SENDO CHAMADO DE 'O MAIS POPULAR'
13:27

Tudo começou em 1940.


Em São Paulo, o recém-inaugurado Pacaembu ia receber a partida entre os times masculinos de São Paulo e Flamengo para um amistoso. A promessa era de um grande público para o jogo. Mas a novidade era a partida preliminar: o Sport Clube Brasileiro e o Casino de Realengo, dois clubes do subúrbio carioca, que iam se enfrentar também em um amistoso. A diferença é que, pela primeira vez, ambos os times eram inteiramente formados por mulheres.



O jogo rolou e, com isso, 65 mil torcedores presenciaram a vitória do Sport por 2 a 0. Gols de Zizinha e Sarah. Era a primeira partida de futebol feminino da história disputada no Brasil.


Mas antes mesmo do jogo acontecer a polêmica já estava instaurada. Diversos setores da sociedade e da imprensa faziam um escândalo contra a possibilidade de uma partida dessas ocorrer. José Fuzeira, um cidadão carioca, enviou um carta diretamente para Getúlio Vargas condenado o ocorrido:


"A mulher não pode praticar esse esporte violento sem afetar seriamente o equilíbrio psicológico das funções orgânicas, devido à natureza que a dispôs a ‘ser mãe’."


Depois do jogo, a pressão não diminuiu. Setores poderosos da sociedade continuaram se manifestando contra essa “prática antinatural”.


No ano seguinte, Vargas tomou uma decisão: assinou o decreto 3.199 tratando da situação".


“Às mulheres não se permitirá a prática de desportos incompatíveis com as condições de sua natureza, devendo, para este efeito, o Conselho Nacional de Desportos baixar as necessárias instruções às entidades desportivas do país.”



O decreto durou quase 40 anos e o futebol ficou durante décadas restrito aos homens. A revogação veio em 1979, mas a prática só foi realmente regulamentada em 1983, com a criação de clubes e utilização de estádios.


Apesar disso, o futebol feminino continuou sofrendo com preconceito, discriminações e falta de incentivos públicos e privados, o que atrasou o pleno desenvolvimento da modalidade. O Campeonato Brasileiro, por exemplo, só teve sua primeira edição em 2013, e os clubes nacionais começaram a se movimentar para montar seus times femininos em 2019, seguindo a obrigatoriedade determinada pela CBF.



A modalidade tem avançado em pautas importantes para se estabelecer de vez e receber o devido respeito e investimento, e foi para falar mais sobre isso que o PELEJA produziu o "Manifesto Delas", com depoimentos de mulheres que vivem essa realidade.



ASSISTA

bottom of page