top of page

LEIA

8 de mar. de 2024

Por dentro das torcidas: Tribuna 77

Movimentos e torcidas no Brasil seguem em frente levantando bandeiras nas bancadas com a participação das mulheres

por

Heitor Ribeiro

É POR ISSO QUE O KROSS NUNCA MUDA DE CHUTEIRA
04:37
POR QUE AUTORIDADES SUGEREM M4C0NHA EM VEZ DE ÁLCO0L NA EURO 2024
03:02
ESSA FOI A HOMENAGEM MAIS EMOCIONANTE DO FUTEBOL EM VIDA
04:22
É POR ISSO QUE ESTÃO QUERENDO ACABAR COM O VAR NA INGLATERRA
05:09
POR QUE ESSES JOGADORES FRANCESES ODEIAM A EXTR3MA DIREITA
04:12
POR QUE ESSE GESTO DA TURQUIA NA EURO É TÃO POLÊMICO
06:54
POR QUE OS TORCEDORES JOVENS DA INGLATERRA ESTÃO VICIADOS EM PORR4DA
09:43
POR QUE O MORATA É TÃO CRITICADO NA ESPANHA
06:17
ESSA FOI A COPA AMÉRICA MAIS DESASTROSA DA HISTÓRIA
05:04
O ESTÁDIO MAIS H0STIL DO BRASIL SE CHAMA SÃO JANUÁRIO?
01:42
COMO ESSA TORCIDA INC3NDIOU O ESTÁDIO DO RIVAL
03:36
VOCÊ LEMBRA A HISTÓRIA DESSE TÍTULO QUASE IMPOSSÍVEL NA EURO?
04:14

O mundo do futebol é cada vez mais diverso. Além da própria modalidade feminina que aumenta ano a ano, as arquibancadas hoje representam papel de luta por maior presença da mulher no esporte. E o crescimento de movimentos que debatem essas pautas já é uma realidade em praticamente todos os clubes do país.


Um grande exemplo disso é a Tribuna 77, torcida do Rio Grande do Sul que apoia o Grêmio Football Porto Alegrense.


Criada em 2012, a “Tribuna”, como é chamada pelos íntimos, sentia a necessidade de alçar voos mais altos para poder manter seus ideais acima de qualquer outra coisa.


Tribuna 77 em projeto social com crianças do bairro Humaitá. Foto: arquivo pessoal

Troquei uma ideia com a Tiele Kawarlevski, que faz parte da Tribuna 77 desde as primeiras vezes que pisou na Arena do Grêmio, e ela me contou um pouco sobre como o grupo prefere ser percebido nas arquibancadas.


“O lema da Tribuna é: ‘memória, identidade e cultura de Grêmio’, a nossa ideia é apresentar um Grêmio popular, acessível, anti-racista [...] Construir para a Instituição, tentar trazer essa representatividade que aqui tem um grupo de torcedores que lutam por essas causas, que representam um Grêmio do Catimba, do Everaldo, que debate e está ligado em todas essas coisas.”


“O que nos diferencia de outras torcidas do Grêmio é falar de política sem medo.”


Foto: arquivo pessoal

Nascida em Guaíba-RS e fanática pelo Tricolor desde a infância, a Tiele diz que sempre foi uma mulher independente, que não tinha medo de frequentar o estádio sozinha, mas que encontrou na torcida pessoas que defendem juntas as causas progressistas que faziam parte da sua vida.


O nome da torcida veio da própria arquibancada onde assistem os jogos, a Tribuna. Já o 77 é um número extremamente marcante na história do Grêmio: foi quando Hélio Dourado, presidente tricolor que hoje dá nome ao CT da base gremista, fez seu primeiro mandato. Além disso, é o ano de fundação da Coligay, considerada a primeira torcida LGBTQIA+ do país. Se não bastasse, foi em 1977 que se encerrou a hegemonia do Internacional no Campeonato Gaúcho, com o título do Grêmio marcado pelo gol de André Catimba.



Homenagem da Tribuna 77 a Volmar Santos, criador da Coligay. Foto: arquivo pessoal

“O que nos diferencia de outras torcidas do Grêmio é falar de política sem medo. Não é que não existam outras pessoas que pensem como a gente, o problema é que gera um medo de ser confundido com política partidária, de misturar Grêmio com outras bandeiras”, conta Tiele.


Diferente de outras torcidas do clube, a Tribuna 77 faz questão de se posicionar politicamente acima de qualquer receio com julgamentos. E isso é que vemos na arquibancada quando a torcida está presente: bandeiras LGTBQIA+, trapos antifascistas e faixas exaltando ídolos negros do Grêmio. Junto com isso, é claro, muita festa e apoio ao time.


Foto: arquivo pessoal

“Aqui não! Aqui não vamos deixar tu ser um escroto.”


Mais para o final da conversa, perguntei se ela, como mulher, se sentia segura no setor do estádio onde frequentam: “Totalmente! Na Arena, tirando os jogos grandes com pessoas que nunca frequentam, não costuma ter ataques a mulheres. Já aconteceu LGBTfobia, quando usamos a bandeira do arco-íris o pessoal chegou a questionar. As poucas vezes que aconteceu com mulheres foram com torcedoras fora do nosso grupo, e nos posicionamos. Fomos em direção e dissemos “aqui não! Aqui não vamos deixar tu ser um escroto”.


Foto: arquivo pessoal

A Tribuna 77 e outros grupos gremistas que levantam a bandeira da diversidade têm papel importantíssimo na transformação do ambiente do futebol. É um recado também ao clube, como num convite a ser sempre um aliado no combate ao machismo, racismo e LGBTfobia, principalmente quando institucionalmente replica o lema: “O Grêmio é clube de todos”.

ASSISTA

bottom of page