top of page

LEIA

19 de jul. de 2023

O hijab na Copa do Mundo

Nouhaila Benzina, do Marrocos, fará história na Copa do Mundo Feminina de 2023 como a primeira atleta a usar hijab no torneio.

por

Artur Magalhães

O ESTÁDIO MAIS H0STIL DO BRASIL SE CHAMA SÃO JANUÁRIO?
01:42
COMO ESSA TORCIDA INC3NDIOU O ESTÁDIO DO RIVAL
03:36
VOCÊ LEMBRA A HISTÓRIA DESSE TÍTULO QUASE IMPOSSÍVEL NA EURO?
04:14
POR QUE AINDA EXISTEM ESTADUAIS NO BRASIL
06:30
POR QUE ESSA ATITUDE DO KLOPP DEIXOU TODO MUNDO EMOCIONADO
03:52
ESSA TR3TA DO MESSI QUASE ACABOU COM UM SUPER TIME DO BARCELONA
04:06
QUE P#RRA TÁ ACONTECENDO COM A SELEÇÃO BRASILEIRA?
05:41
VOCÊ LEMBRA DESSAS TRETAS MARCANTES ENTRES IRMÃOS?
13:02
ESSAS SÃO AS VINGANÇAS MAIS ICÔNICAS DO FUTEBOL?
09:24
QUE P#RRA TÁ ACONTECENDO COM O SANTA CRUZ?
04:44
FOI ASSIM QUE ESSA TRANSMISSÃO ENGANOU DUAS TORCIDAS
04:37
É POR ISSO QUE O SÃO PAULO TÁ SENDO CHAMADO DE 'O MAIS POPULAR'
13:27

Em junho de 2023, a Corte Francesa decidiu por manter a proibição do uso de hijab por jogadoras muçulmanas em suas competições nacionais. A decisão se baseia na norma da Federação Francesa de Futebol (FFF) que proíbe "qualquer sinal ou roupa que mostre claramente afiliação política, filosófica, religiosa ou sindical" durante o jogo.

A reafirmação da norma veio após um grupo de jogadoras protestarem e iniciarem uma ação contra a proibição. Segundo o grupo denominado "As Hijabeuses", que liderou a campanha, “a decisão vai contra a coesão social em um país baseado na diversidade e no pluralismo”. Mesmo com o movimento, a regra segue inalterada.


MULHERES MUÇULMANAS JOGANDO FUTEBOL EM SOLO FRANCÊS. REPRODUÇÃO: BERTRAND GUAY/AFP/FILE


Entretanto, esse impedimento é restrito às partidas das ligas e copas nacionais francesas, e nada impacta as competições comandadas pela FIFA. Com isso, a Copa do Mundo de 2023 será histórica: pela primeira uma jogadora vai atuar com o hijab no torneio.


A marroquina Nouhaila Benzina concretizará esse feito quando Marrocos enfrentar a Alemanha no dia 24 de julho, na primeira rodada do Mundial. A defensora de 25 anos joga com a vestimenta e está convocada para defender seu país. Outras jogadoras também já atuaram de hijab em competições de categorias inferiores, mas Benzina será a primeira a nível profissional.


TORSTEN BLACKWOOD/AFP/GETTY IMAGES


⁣⁣E Benzina e o Marrocos chegam para a Copa com a moral alta. No ano passado, o país se tornou o primeiro de origem árabe a participar da final de um torneio continental. Sediando a competição, as marroquinas conquistaram vaga na decisão do Campeonato Africano de Futebol Feminino (WAFCON) ao derrotarem a poderosa Nigéria, já 11 vezes campeã, na semi. Na final, acabaram derrotadas pela África do Sul, mas o desempenho foi suficiente para que elas chegassem ao Mundial deste ano.


MARROCOS EM CAMPO DURANTE A WAFCON. REPRODUÇÃO: GOAL


Em 2007, a FIFA já tinha proibido todas as vestimentas que considerava "um risco à segurança", enquadrando o hijab nesses termos. Sete anos depois, a ação foi suspensa e as jogadoras muçulmanas que optavam por manter suas tradições deixaram de ser excluídas do esporte.


De 736 jogadoras que estarão no Mundial da Austrália e Nova Zelândia, Benzina será a única que usará o hijab, mas o impacto que ela causará expressando sua crença enquanto disputa a principal competição do planeta ficará marcado na história.


ASSISTA

bottom of page