top of page

LEIA

5 de jun. de 2023

A teoria que explica como a música ajuda na preparação dos jogadores de futebol

Desde as caixas de som no vestiário até fones na entrada do campo, ouvir um bom som pode fazer a diferença no pré-jogo de uma atleta profissional.

por

Renan Lima

É POR ISSO QUE O KROSS NUNCA MUDA DE CHUTEIRA
04:37
POR QUE AUTORIDADES SUGEREM M4C0NHA EM VEZ DE ÁLCO0L NA EURO 2024
03:02
ESSA FOI A HOMENAGEM MAIS EMOCIONANTE DO FUTEBOL EM VIDA
04:22
É POR ISSO QUE ESTÃO QUERENDO ACABAR COM O VAR NA INGLATERRA
05:09
POR QUE ESSES JOGADORES FRANCESES ODEIAM A EXTR3MA DIREITA
04:12
POR QUE ESSE GESTO DA TURQUIA NA EURO É TÃO POLÊMICO
06:54
POR QUE OS TORCEDORES JOVENS DA INGLATERRA ESTÃO VICIADOS EM PORR4DA
09:43
POR QUE O MORATA É TÃO CRITICADO NA ESPANHA
06:17
ESSA FOI A COPA AMÉRICA MAIS DESASTROSA DA HISTÓRIA
05:04
O ESTÁDIO MAIS H0STIL DO BRASIL SE CHAMA SÃO JANUÁRIO?
01:42
COMO ESSA TORCIDA INC3NDIOU O ESTÁDIO DO RIVAL
03:36
VOCÊ LEMBRA A HISTÓRIA DESSE TÍTULO QUASE IMPOSSÍVEL NA EURO?
04:14

Seja no pagode no fundo do busão a caminho do estádio, na caixa de som estalando nos corredores ou apenas nos discretos fones de ouvido no aquecimento, ouvir música é um dos rituais pré-jogo mais consagrados do futebol. E quando se trata do esporte no mais alto nível, até os mínimos detalhes podem influenciar o desempenho dos atletas. Então um grupo de psicólogos britânicos se fez uma pergunta: “Será que a música influencia mesmo na preparação mental dos atletas para as partidas?”. A teoria deles aponta que sim.


Em um estudo publicado em 2018 na Sport, Exercise, and Performance Psychology, uma revista acadêmica da Associação Americana de Psicologia (APA), eles analisaram a rotina pré-jogo de 34 jogadores da elite das categorias de base da Inglaterra e, por meio de questionários, diários, entrevistas e observações, buscaram entender como a música era usada na preparação psicológica para a partida.


NEYMAR OUVINDO MÚSICA ANTES DE PARTIDA COM A SELEÇÃO BRASILEIRA. LUCAS FIGUEIREDO/CBF


O grupo descobriu que os jovens jogadores usavam a música para estimular e regular a emoção antes das partidas. A música também foi usada para construir um senso de identidade de grupo, aumentando as percepções de coesão do time e criando uma atmosfera de coletividade positiva.


Outra descoberta foi que as preferências musicais dos jogadores mais experientes e, muitas vezes, líderes do grupo eram bem aceitas e adotadas pelos mais novos. Portanto, a música preferida do capitão influenciava os outros membros da equipe, tipo um efeito manada ou uma versão mais elaborada da brincadeira “mestre mandou”. E os efeitos psicológicos eram vistos na autoconfiança e na motivação dos seus pares.


CRISTIANO RONALDO COM SEUS FONES DE OUVIDO NA JUVENTUS. THE TELEGRAPH


Aliás, quanto aos estilos musicais favoritos dos jogadores analisados, aquelas canções com letras fortes e ritmo acelerado tinham mais apelo. Curiosamente, quando os atletas foram expostos a uma música de orquestra, ou seja, nem tão rápida e apenas instrumental, a reação também foi positiva. “Parecia que eu estava me preparando para a guerra, eram os violinos, eles estavam me preparando para alguma coisa”, relatou um dos entrevistados.


Isso reforçou a conclusão do grupo: a música pode fornecer um pano de fundo auditivo e emocional para os atletas visualizarem seu desempenho na partida e, assim, ser uma parte importante da preparação psicológica para um jogo.


ASSISTA

bottom of page