top of page

LEIA

8 de ago. de 2023

82% das jogadoras sentem dores apenas por usar chuteiras, aponta pesquisa

São inúmeros os obstáculos que o futebol feminino enfrenta para se consolidar. E um estudo apontou que até as chuteiras têm parte de culpa nesse cenário.

por

Artur Magalhães

O ESTÁDIO MAIS H0STIL DO BRASIL SE CHAMA SÃO JANUÁRIO?
01:42
COMO ESSA TORCIDA INC3NDIOU O ESTÁDIO DO RIVAL
03:36
VOCÊ LEMBRA A HISTÓRIA DESSE TÍTULO QUASE IMPOSSÍVEL NA EURO?
04:14
POR QUE AINDA EXISTEM ESTADUAIS NO BRASIL
06:30
POR QUE ESSA ATITUDE DO KLOPP DEIXOU TODO MUNDO EMOCIONADO
03:52
ESSA TR3TA DO MESSI QUASE ACABOU COM UM SUPER TIME DO BARCELONA
04:06
QUE P#RRA TÁ ACONTECENDO COM A SELEÇÃO BRASILEIRA?
05:41
VOCÊ LEMBRA DESSAS TRETAS MARCANTES ENTRES IRMÃOS?
13:02
ESSAS SÃO AS VINGANÇAS MAIS ICÔNICAS DO FUTEBOL?
09:24
QUE P#RRA TÁ ACONTECENDO COM O SANTA CRUZ?
04:44
FOI ASSIM QUE ESSA TRANSMISSÃO ENGANOU DUAS TORCIDAS
04:37
É POR ISSO QUE O SÃO PAULO TÁ SENDO CHAMADO DE 'O MAIS POPULAR'
13:27

Um estudo dirigido em conjunto pelo grupo de alto rendimento da European Club Association, um órgão independente que representa os clubes de futebol a nível europeu, apontou que 82% das jogadoras em atividade no futebol feminino sentem dores e desconfortos quando calçam suas chuteiras para entrar em campo. A pesquisa contou com especialistas da St Mary's University, de Twickenham, e do Aspetar, um hospital ortopédico no Catar.


Em todo o continente europeu, o levantamento detalhou as dificuldades que as jogadoras enfrentam com os calçados e as medidas que tomam para superar isso. A maioria das entrevistadas recorreu a palmilhas especializadas para evitar o incômodo, enquanto outras costumam cortar e fazer buracos nas chuteiras na região do calcanhar.


82% DAS JOGADORAS SENTEM DORES APENAS POR USAR CHUTEIRAS. FOTO: REPRODUÇÃO @ANFIELDHQ


Claire Bloomfield, responsável pelo futebol feminino no ECA, confessou espanto com os números apresentados. Segundo ela, o resultado de 82% é um número impressionante: “Sabíamos que iríamos encontrar algo, mas esses números nos surpreenderam”.


É importante ressaltar que, mesmo jogando no futebol europeu, o mercado mais consolidado da modalidade, mais de 43% das entrevistadas não possuem contrato de patrocínio firmado com marcas, ou seja, dependem de clubes, agentes ou delas próprias para terem suas chuteiras.


“Um só tamanho não serve para todo mundo”


JOGADORAS DURANTE JOGO DA LIGA INGLESA. FOTO: REPRODUÇÃO SKY SPORTS


Katrine Kryger, especialista em medicina do futebol e reabilitação esportiva da St Mary's University, defende uma investigação mais complexa sobre o assunto. Kryger identificou que os pés das mulheres diferem de várias maneiras dos pés dos homens – o primeiro metatarso, por exemplo, é mais longo e possui um ângulo diferente; já o quinto metatarso está mais próximo dos demais. Além disso, as mulheres têm antepés mais largos, arco mais alto e tornozelos com maior circunferência. As descobertas mostraram que 34% das jogadoras relataram desconforto especificamente no calcanhar – uma área da chuteira onde geralmente há menos preenchimento.


Perguntada sobre alguma relação entre os pontos apresentados e debatidos com certa frequência de lesões, Katrine não descartou a possibilidade, mas alegou não ter dados suficientes para confirmar a teoria.


“Temos o mercado de pesquisa masculino e sabemos que existem questões relacionadas a isso, que chuteiras mal ajustadas podem causar problemas. Uma das coisas que dissemos é que não devemos apenas copiar o que os homens estão fazendo.”

A CHUTEIRA PHANTOM LUNA, PROJETADA ESPECIALMENTE PARA O FUTEBOL FEMININO. DIVULGAÇÃO: NIKE


Antes da Copa do Mundo, a Nike anunciou o lançamento da Phantom Luna, uma inovadora chuteira criada especialmente para o pé feminino. Segundo pesquisa divulgada pela marca, a Phantom Luna foi projetada com zonas de toque maiores para otimizar o contato com a bola, uma vez que o jogo feminino é mais concentrado no ataque em equipe e exige mais troca de passes em geral.


Pesquisas como essa colocam pautas pouco discutidas em evidência. E esse é um dos caminhos para mudar as coisas.



ASSISTA

bottom of page